• denuncias
  • peticionamento
  • protocolo
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • Não categorizado
  • PGR e PGT pedem ao Supremo que não paralise ações trabalhistas envolvendo administração direta e agentes públicos
  • Banner MPT Na Escola 
  • CADASTRO REGIONAL DE ÓRGÃOS E ENTIDADES DO MPT-MS 2
  • outdoor-trafico
  • WhatsApp Image 2020-03-25 at 08.42.33
  • Plantao
  • Banner att

PGR e PGT pedem ao Supremo que não paralise ações trabalhistas envolvendo administração direta e agentes públicos

Manifestação assinada por Augusto Aras e José de Lima Ramos Pereira foi dada em pedido apresentado por município paulista em ação com repercussão geral reconhecida pela Corte

Brasília, 20/08/2021 -  Em manifestação assinada pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e pelo procurador-geral do Trabalho, José de Lima Ramos Pereira, o Ministério Público Federal (MPF) manifestou-se de forma contrária a pedido cautelar da Fazenda Pública do município de São Joaquim da Barra (SP) para que sejam suspensos todos os processos da Justiça do Trabalho que envolvem a administração direta e os agentes públicos, conforme a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3.395.

Nesta ADI, o Supremo Tribunal Federal (STF) afastou qualquer interpretação do texto constitucional que buscasse incluir na competência da Justiça trabalhista causas oriundas da relação entre o Poder Público e servidores com vínculo jurídico-administrativo (estatutários), sendo essa competência da Justiça comum (Federal e Estadual).

O pleito da Fazenda do município paulista tem origem no Recurso Extraordinário 1.288.440, representativo do Tema 1.143 da sistemática de Repercussão Geral do STF. No RE, a Corte irá analisar, à luz da Constituição Federal, qual Juízo é competente para julgar demanda entre servidores celetistas e o Poder Público, quando se pleiteia prestação de natureza administrativa. Segundo o pedido, há 1.452 reclamações trabalhistas ajuizadas contra o município, e qualquer lei municipal ou estadual que tratasse da relação jurídica entre agente público e administração pública teria natureza estatutária e administrativa, o que justificaria a concessão de tutela provisória.

Na avaliação dos procuradores-gerais da República e do Trabalho, Augusto Aras e José de Lima Pereira, que assinam as contrarrazões ministeriais, o pleito do município “mostra-se temerário”. Segundo eles, o pedido transborda limites do tema que será decidido no referido recurso extraordinário, além de promover risco de grave tumulto à atuação da Justiça do Trabalho. “Há suficiente proteção à Fazenda Pública com a suspensão dos recursos extraordinários nas instâncias respectivas; e eventual descumprimento da ADI 3.395 há de ser questionado na ação autônoma apropriada”, complementa o documento.

Na manifestação, os procuradores-gerais destacam que a tutela antecipada “é demasiadamente ampla”, uma vez que o tema em questão não impacta todos os processos que tramitam contra a Administração Pública Direta, “que pode ser acionada perante a Justiça trabalhista em outros casos importantes, como na hipótese, por exemplo, da responsabilidade subsidiária da Administração nos contratos de terceirização”.

Repercussão geral 

De acordo com o MPF, diferentemente do que pretende fazer crer o Município, não se discute no RE 1.288.440 a natureza dos vínculo estabelecido entre servidor e município – se estatutário ou celetista. A questão central do Tema 1.143 tem como foco a discussão da controvérsia sobre qual Justiça é competente para julgar ação quando já reconhecida a natureza celetista do vínculo com o Poder Público.

Nesse sentido, Aras e Lima esclarecem que o Supremo Tribunal Federal já reconheceu que algumas causas tramitam, sim, na Justiça do Trabalho. A título de exemplificação, o parecer cita o decidido no julgamento do Tema 853, no qual “ficou reafirmada a jurisprudência do STF no sentido de ser competência dessa Justiça processar e julgar demandas visando obter prestações de natureza trabalhista, ajuizadas contra órgãos da Administração Pública, por servidores que ingressaram em seus quadros, sem concurso público, antes do advento da CF/1988, sob regime da Consolidação das Leis do Trabalho”.

Celeridade 

Para o Ministério Público, a paralisação de ações que envolvam a temática, enquanto não for definida a questão pelo STF, atingiria expressiva quantidade de trabalhadores que aguardam a solução de suas demandas e esperam o possível pagamento de verbas em litígio. “Em um contexto de duração razoável do processo e de tratamento isonômico entre as partes, a determinação de suspensão geral e linear dos feitos sem qualquer delimitação, revela-se excessivamente gravosa aos trabalhadores e prejudicial à própria administração da Justiça e à entrega da prestação jurisdicional”, afirmam os procuradores-gerais.

Clique aqui para acessar a íntegra da manifestação no RE 1.288.440

Fonte: Procuradoria-Geral do Trabalho, com informações da Secom/PGR
Informações: (61) 3314-8101/8233
www.mpt.mp.br

Tags: Ministério Público do Trabalho, justiça do trabalho, Ministério Público Federal

Imprimir

  • banner pcdlegal
  • banner abnt
  • banner corrupcao
  • socioambiental
  • banner transparencia
  • banner radio
  • banner trabalholegal
  • Portal de Direitos Coletivos