• denuncias
  • peticionamento
  • protocolo
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • lgpd
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • Não categorizado
  • MPT contesta proposta do Ministério da Economia que prevê a alteração da regulamentação da aprendizagem profissional
  • CADASTRO REGIONAL DE ÓRGÃOS E ENTIDADES DO MPT-MS 2
  • outdoor-trafico
  • Plantao
  • WhatsApp Image 2020-03-25 at 08.42.33

MPT contesta proposta do Ministério da Economia que prevê a alteração da regulamentação da aprendizagem profissional

Em manifestação apresentada na última sexta-feira (29), instituição também questiona finalidade de consulta pública devido ao prazo curto para envio de sugestões

Brasília, 03/02/2021 - O Ministério Público do Trabalho (MPT) apresentou na última sexta-feira (29) manifestação em consulta pública na qual contesta uma série de dispositivos presentes em proposta do Ministério da Economia que pretende alterar a regulamentação da aprendizagem profissional. O documento também questiona a finalidade de consulta pública tendo em vista que foi aberta dias antes da virada do ano e teve prazo de apenas 30 dias.

Entre as questões que preocupam o MPT está a mitigação dos mecanismos de controle e averiguação das entidades formadoras, programas e cursos de aprendizagem profissional, já que a proposta inverte o processo de verificação hoje existente, permitindo que haja o cadastro de entidades, programas e cursos sem a possibilidade de verificação prévia pela fiscalização do trabalho.

O MPT também questiona as alterações inseridas na minuta de portaria que promovem uma redução quantitativa e qualitativa da carga horária teórica dos programas e cursos de aprendizagem profissional, reduzindo o seu caráter educativo e formativo e retirando diretrizes gerais e curriculares importantes.

De acordo com a instituição, a portaria prevê como um dos tipos de programa de aprendizagem profissional aquele destinado a qualificar o aprendiz em determinado agrupamento de ocupações variadas. “A nova previsão fragiliza, empobrece e precariza a aprendizagem profissional, permitindo “o agrupamento de ocupações variadas” que não guardam correlação nenhuma entre si, ao contrário do que foi concebido na aprendizagem por arco ocupacional (alínea b do mesmo inciso XVIII do art. 2º), e não permitem uma formação consistente em nenhuma das ocupações”.

O MPT afirma, ainda, que isso permite, a título de exemplo, que um aprendiz exerça as funções de recepcionista, asseio e conservação e auxiliar de produção, as quais não guardam base técnica próxima e características complementares. “Tem o nítido escopo de descaracterizar a aprendizagem como programa de qualificação profissional de cunho educativo e formativo, autorizando o desvirtuamento da parte prática da aprendizagem para torná-la mera exploração de força de trabalho por intermédio de um rodízio abusivo de atividades”, ressalta o MPT na manifestação.

Outro ponto destacado no documento do MPT é a retirada ou modificação de dispositivos que tratam da aprendizagem para públicos prioritários ou socialmente vulneráveis, como, por exemplo, a exclusão da obrigatoriedade da diretriz geral que prevê a garantia de adequação dos programas para a aprendizagem de pessoas com deficiência.

Assinada pelas Coordenadorias Nacionais de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância) e da Promoção da Igualdade e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade), do MPT, a manifestação defende ainda um debate mais ampliado e um maior diálogo sobre o assunto. Segundo a instituição, “causa espanto” a abertura de uma consulta pública em 29 de dezembro, às vésperas da virada do ano. “A conduta do Ministério da Economia põe em xeque a finalidade da consulta pública, instrumento de transparência e publicidade cujo escopo é possibilitar e estimular a participação da sociedade nas discussões que antecedem eventual tomada de decisão por parte da administração pública. Da data de publicação e deflagração da consulta, assim como do prazo exíguo concedido para manifestações, deflui que o objetivo não foi incentivar a participação social em questão que trata de direitos fundamentais de adolescentes e jovens, muito menos o de ampliar o debate”, completa o MPT.

Clique aqui para ler a manifestação.

Nota pública

No dia 21 de janeiro, o MPT emitiu nota pública que alerta para os riscos de fragilização e de precarização do instituto da aprendizagem profissional no país, caso seja aprovada a minuta da proposta de Portaria do Ministério da Economia que visa alterar regras para a contratação de aprendizes entre em vigor.

Foto: Divulgação

Fonte: Procuradoria-Geral do Trabalho
Informações: (61) 3314-8101/8233
www.mpt.mp.br

Tags: Ministério Público do Trabalho, Aprendizagem, Jovem Aprendiz

Imprimir

  • banner pcdlegal
  • banner abnt
  • banner corrupcao
  • socioambiental
  • banner transparencia
  • banner radio
  • banner trabalholegal
  • Portal de Direitos Coletivos