MPT entrega computador à Unei Dom Bosco para uso exclusivo em curso de aprendizagem profissional

Além da doação do equipamento, foram destinados recursos para a compra de mobília colocada na sala que abriga a capacitação

14/02/2019 - Adolescentes que cumprem medida socioeducativa com restrição de liberdade na Unidade Educacional de Internação (Unei) Dom Bosco, em Campo Grande/MS, passaram a contar com mais uma ferramenta para aprimorar a formação técnico-profissional. Um computador, no valor de quase R$ 2 mil, foi entregue nessa quarta-feira (13) pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) no intuito de dinamizar a transmissão de conteúdos durante o curso Ocupações Administrativas, uma iniciativa que faz parte do projeto Medida de Aprendizagem, lançado em 2017 no Estado de Mato Grosso do Sul.

O curso teve início em outubro e já trouxe mudanças para a vida de jovens como G. J., 18 anos. Internado há nove meses na unidade, ele sente-se mais confiante com a qualificação e oportunidades que podem surgir no mercado de trabalho. “Graças ao projeto, tenho uma carteira assinada e vou sair daqui com o certificado desse curso, o que facilita arrumar um emprego. Estamos descobrindo um novo sentido para a vida após a prisão, um caminho diferente daquele que muitas pessoas acreditam, em que sempre voltaremos para o mundo do crime. Hoje, sei o que é ética, respeito, como tratar as pessoas, o modo de falar, a maneira de pensar, como é o mercado de trabalho lá fora”, contou G. J.

A entrega do computador foi prestigiada por Cláudio Rodrigo de Oliveira, gerente regional Centro-Oeste e Distrito Federal do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), a entidade responsável pela formação técnico-profissional dos 12 adolescentes inseridos no projeto. “Eles precisam de uma oportunidade e a aprendizagem encaixa muito bem nisso. Ao unirmos teoria e prática em único ambiente, oferecemos condições para que esses jovens protagonizem um novo capítulo em suas trajetórias de vida. A participação no curso, inclusive, é levada em conta pelo juiz para a concessão da liberdade ao interno”, disse Cláudio Oliveira. O gerente ainda lembrou que todo mês é depositado um valor correspondente a meio salário mínimo – em torno de R$ 500 – para cada adolescente, em conta judicial. Ao saírem do sistema socioeducativo, eles podem sacar esse dinheiro.

Odair Marcelo Gomes Selles, diretor da Unei Dom Bosco, também acompanhou o ato de destinação do equipamento, que ocorreu dentro da sala onde o curso é ministrado. Para ele, a iniciativa representa “a menina dos olhos da unidade”. “Percebemos uma mudança profunda no comportamento dos adolescentes que integram essa primeira turma. Até o vínculo com a família está se fortalecendo, com muitos pais e mães interessados no desempenho deles. Muitas pessoas já perguntam quando será a próxima turma, inclusive adolescentes que não tiveram a chance de entrar agora”, recordou.

Para a instrutora Janine Fortin, não importa a infração que eles cometeram no passado. É preciso apostar nas competências pessoais deles. “A partir do momento em que entram na sala, eles precisam acreditar e romper com essa característica de que ‘eu sou um criminoso, eu fiz isso, eu cometi um ato’, esquece. Eu acredito neles e eles precisam acreditar em suas habilidades, em um novo projeto de vida”, enfatizou.

O projeto Medida de Aprendizagem chegou a Mato Grosso do Sul por meio de uma experiência-piloto na Unidade Educacional de Internação Mitaí em Ponta Porã. Essa iniciativa foi idealizada pela procuradora do MPT Simone Beatriz Assis de Rezende que, antes, conheceu o modelo aplicado aos egressos das medidas socioeducativas no Rio Grande do Sul desde 2009. Segundo ela, mudanças na legislação que trata da aprendizagem possibilitaram que as aulas práticas ocorram em unidades do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), promovendo assim a inclusão de jovens em situação de vulnerabilidade ou risco social. “Lá fora, os adolescentes podem buscar uma possibilidade de treinamento, mas nas Unei isso só acontece quando o Estado se preocupa com esses jovens e traz uma qualificação profissional que assegura direitos trabalhistas”, observou.

Além da doação do computador, o Ministério Público do Trabalho viabilizou a compra de aparelho de ar-condicionado, cadeiras, mesas, carteiras, armários e cavalete flip chart com quadro e bloco, destinados à montagem da sala e do ambiente simulado para as aulas práticas.

Clique aqui para acessar a galeria de fotos.    

Fonte: Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul
Informações: (67) 3358-3035
www.prt24.mpt.mp.br | twitter: @MPT_MS

Tags: Ministério Público do Trabalho, aprendiz

Imprimir